Efeitos do Abuso da Testosterona na Mulher e no Homem

Efeitos do Abuso da Testosterona na Mulher e no Homem

Testosterona na mulher

A sexualidade feminina é complexa e não somente relacionada a hormônios como a testosterona.
Fatores psicossociais como cultura, crenças religiosas, autoestima, depressão, traumas sexuais como abuso, tipo
de relacionamento afetivo, doenças e o uso de medicamentos influenciam a sexualidade feminina.
O diagnóstico de perda do interesse nas relações sexuais e/ou falta de excitação se baseia na
Classificação do DSM 5 e requer a presença de 3 dos seguintes critérios

1. Atividade sexual reduzida/ ausente

2. Ausência / Redução de fantasias sexuais

3. Ausência de iniciativa em iniciar atividade sexual e falta de
receptividade a iniciativa do parceiro

4. Ausência/ redução de excitação durante a atividade sexual em cerca de
75-100% das vezes

5. Ausência/ redução de excitação em resposta a estímulos eróticos (escritos, verbais ou
visuais )

6. Ausência/ Redução de sensações genitais e não genitais em 75-100% das relações sexuais.

Esses 3 critérios precisam estar presentes no mínimo por 6 meses e devem causar angustia à paciente.
A presença desse quadro é classificada pelo DSM 5 como Transtorno do Interesse/ Excitação Sexual
Feminino. O diagnóstico desta síndrome é realizado com base em critérios exclusivamente clínicos.
A dosagem de testosterona não está indicada para o diagnóstico do Transtorno do Interesse/ Excitação
Sexual Feminino, nem para avaliação de baixa função ovariana ou adrenal porque o método de dosagem
utilizado mundialmente só permite discriminar o excesso de produção de testosterona, como para o diagnóstico
de tumores e/ou outras doenças que levam a acne, hirsutismo e virilização.
Mundialmente, não é recomendado o uso de formulações masculinas para mulheres. O uso de Testosterona por mulheres, sem indicação e com medicamentos inadequados, pode levar a efeitos a curto e a longo prazo, dose-dependentes como espinhas,
excesso de pelos, queda de cabelo, aumento do risco cardiovascular, engrossamento da voz, aumento do clitóris,
além de dependência psicológica como depressão após a retirada, transtorno da imagem corporal
(dismorfofobia, vigorexia) e transtornos alimentares (ortorexia).

Testosterona no Homem

O uso de Testosterona pelo homem está aprovado no Brasil para o tratamento de hipogonadismo e, por
curto prazo para recuperação de quadros de caquexia.
O diagnóstico de hipogonadismo masculino requer a presença de sintomas clínicos como libido baixa,
disfunção erétil e fadiga, além da dosagem de testosterona realizada no mínimo em duas ocasiões no período da
manhã na ausência de doenças agudas ou graves. Existem situações em que o hipogonadismo masculino pode
ser secundário a uma doença sistêmica como hemocromatose, obesidade, e pode reverter com o tratamento da
causa básica.

Testosterona não deve ser usada para libido baixa e depressão sem o diagnóstico de hipogonadismo. O uso de
testosterona para ganho de massa muscular é considerado doping em atletas profissionais e ilegal em amadores.
Pode levar a efeitos adversos graves e irreversíveis como:
– Aumento do coração e morte súbita
– Infertilidade
– Inflamação e pus no local da aplicação
– Acne e maior oleosidade na pele
– Ginecomastia
– Problemas de fígado
– Policitemia e risco aumentado de trombose
– Edema
– Retenção urinária para pessoas com hipertrofia prostática
– Piora dos roncos e sonolência para quem tem apneia
– Além disso pode haver supressão transitória ou definitiva da função testicular, parada da produção de Testosterona
endógena, e necessidade de reposição de Testosterona em longo prazo.

 

Dra. Rita Vasconcellos Weiss
Presidente do Departamento de Endocrinologia Feminina e Andrologia
Biênio 2017/2018

Deixe um comentário